The locked doors of Gaza

“i waited over seven hours and endured six different interrogations, and this is the conversation (from memory) that barred me from entering my homeland on the grounds that I was uncooperative. It was with an extremely unpleasant woman in uniform, red hair and massive amounts of makeup (for some reason, that’s relevant). Keep in mind that all this information was already obtained by each interrogator before her:
Her: Why are you here?
Me: visiting family, friends and opening ceremonies for playgrounds.
Her: where is your family?
Me: Jerusalem
Her: what is the relation?
Me: cousin
Her: (clearly agitated with me) no aunts uncles?
Me: no
Her: where are you staying in Jerusalem?
Me: my cousin
Her: what is his name?
Me: (gave his name)
Her: other cousins.
Me: you want the names of all my cousins?
Her: yes
Me: there’s hundreds of them. It’s a big family. I don’t get what you’re asking.
Her:(slams her hand down on desk) who are you staying with?
Me: My cousin Adel, whose name and number I just gave you, along with every other official who asked.
Her: (now very angry) I am asking the questions.
Me: …
Her: (slams hand again on table) who else lives with your cousin?
Me: his wife and kids
Her: what are their names
Me: (one second brain freeze, looking incredulous, but conjuring the names to tell her)
Her: Why you not answer the questions?
Me: I’m answering all your questions
Her: you are not answering how I like
Me: I can’t read your mind and I don’t care what you like. I’m answering your questions.
Her: you don’t care? Ok. Get out. I will show you.

She then calls Stephanie in and asks her a bunch of questions about me. An hour later she and another called me over to tell me that I’m denied entry for non cooperation. I actually lost it. I screamed at them both. They threatened. I assure them I wasn’t afraid. Strangely I actually wasn’t. I ordinarily would be. I made a scene. A big one. I could hardly believe the insane feeling I had. They brought out three soldiers who just stood and stared at me. I kept yelling. I told them they’re the ones who should go back. I said it was bad enough we have to enter like tourists and endure their endless humiliations and power plays. Everything inside of me was shaking, but I don’t think it made its way outwardly. I don’t know what I looked like to others. Crazy? insane? brave? Desperate? I did realize at some point that they had no idea what to do with me. That they had expected me to just go quietly, but I was very loud instead. The truth is that I just wanted to cry. A desperate simething from my gut. They give us so much to cry over. All the time. So I just screamed at them. Thieves, occupiers I called them. You wish you had the same roots as I do, I screamed. You should be the one to leave, not me. I’m a daughter of this land. Then they took me to my luggage and sent me in the bus. I regret walking and not making them carry me.”

Anúncios

Pedimos desculpa aos marxistas de sofá.

“Pedimos desculpa aos marxistas de todo o mundo por a Grécia se recusar a cometer suicídio ritual para promover a causa. Vocês têm sofrido dos vossos sofás.

É revelador da paisagem política europeia – na verdade, do mundo – que os sonhos de todos sobre o socialismo pareçam repousar sobre os ombros do jovem primeiro-ministro de um pequeno país. Parece haver uma fervorosa crença irracional, quase evangélica que um pequeno país, afogando-se em dívidas, ofegando por liquidez, de alguma forma (e que “de que forma” nunca é especificado) pudesse derrotar o capitalismo global, armado apenas com paus e pedras.

Quando parecia que não iria acontecer, eles se voltaram. “Tsipras capitulou.” “Ele é um traidor.” A complexidade da política internacional foi reduzida para uma hashtag, que rapidamente alterado para variantes como # prayfortsipras ou # tsiprasresign. O mundo exigiu o seu clímax, o seu último fator-X, seu desfecho de Hollywood. Qualquer coisa diferente de uma luta até à morte seria cobardia inaceitável.

Como é fácil ser-se ideologicamente puro quando não se está a arriscar nada. Quando não se está a enfrentar a escassez, o colapso da coesão social, conflito civil, a vida e a morte. Como é fácil exigir um acordo que claramente nunca será aceite por qualquer um dos outros Estados membros da zona euro. Como é fácil decisões corajosas quando não se tem a pele em jogo, quando não se está em contagem regressiva, como eu estou, contando as últimas vinte e quatro doses da medicação que impede a minha mãe de ter convulsões.(…)

Nas últimas horas foi-me dito que a Grécia “deve apenas # Grexit AGORA”; que temos “um clima maravilhoso e poderia facilmente ser auto-suficiente”; que “deve adotar bitcoin e crowdfunding para contornar o monetarismo”; que “os EUA iriam enviar medicamentos”. Nenhuma dessas pessoas sugere que isso deve acontecer no seu próprio país, entenda-se. Apenas a Grécia, para que eles possam ver o que acontece. A sua maioria vive em Estados com governos centristas, que defendem a austeridade, mas garantem um fornecimento estável do mais recente iPad nas lojas. Todos eles, sem exceção, poderiam ter negociado um negócio muito melhor com uma faca na garganta; poderiam ter sido mais corajosos.

A minha pergunta para os críticos é: que batalhas e lutas estão a travar no vosso país, cidade, agora? E a que risco? Não serão, na verdade, tão maus quanto os ideólogos da austeridade hardcore que querem experimentar num “país de brinquedo”, com a vida das pessoas, e ver como ele se safa?

Vista como uma espécie de Abismo de Helm, esta derrota para os gregos é monumental, irredimível. É o momento “tudo está perdido”. Vista como a primeira batalha de uma grande guerra, é extremamente valiosa. Ela expôs o inimigo, suas forças e fraquezas. Permitiu que outros possam ser mais inteligentes, Espanha , Portugal e Itália, o que garantirá que eles estarão melhor preparados. Foi combatida com bravura. E inteligente, porque a Grécia consegue viver para lutar outro dia.

Elegemos um homem bom, honesto e corajoso, que lutou como um leão contra interesses poderosíssimos. O resultado pode não ser o martírio por que esperavam. Mas serve, por agora.”

Alex Andreou

Resign, mister Dijsselbloem!

Mister Dijsselbloem:

I write you while a European citizen, sure that the worries and the appeal I transmit to you are shared by many other millions.

You know (better than any of us, common informed citizens) that the first rescue to Greece was almost exclusively used to ensure the vulnerability of the German and French banks to the country’s foreign debt, to rescue the Greek banks and in keep going the orders of German submarines and French military airplanes. And you know that such use was a condition fir the loan.

You know that, from the subsequent rescues, almost no money was spent in daily expenses or in the Greek economy, but rather for paying back the high interest rates and the previous short-term loans.

You know that, along this process, the “tax-payers from northern Europe” did not paid a cent for”the pensions and easy life of the Greeks”. Because that was not the use for the money and because, on the contrary, their governments and the international institutions got profits of billions of Euros in interests.

You know that the political, economical and social conditions which were imposed together with those loans (conditions that became strangely legitimate and “normal”, as far as the debtor is not a person or a corporation, but a country in vulnerable situation) have destroy the Greek economy and thrown the country into a situation of social calamity.

You know (or you should know, considering the responsibility of the functions you perform) that the debt and recession spiral which was raised by the European institutions and IMF demands created, besides huge human costs,a situation where the Geek foreign debt became impossible to pay – demanding its restructuring, even for the sake of the creditors.

You also know (much better than any of us, citizens who pay the price for your actions and decisions) that the attempts to build-up a solution that would brake that vicious circle and would overpass a “more of the same” rationale were systematically made impracticable, not because of economical or financial reasons, but because of the commitment to reproduce the power relations that brought us to the current situation, and to make impossible the subsistence of an EU government who does not accept them.

I’m also sure that you know, doesn’t matter what you might say in public, that the kind of attitude kept by the Eurogroup along the last months (and which you personified) is unsustainable nowadays.

It is unsustainable because, if a lack of constructive dialogue and of an adequate Greek debt restructuring would push Greece out of the Euro, that would bring huge losses for countries such as Germany, and that would bring immediate speculative attacks to the foreign debt of the Euro countries who are weakened by “austerity” policies.

It is unsustainable, because a Grexit (doesn’t matter if eventually beneficial or not to the Greeks) would also induce, almost certainly, a huge exchange rate turbulence and a return of recession all over Europe.

It is unsustainable, because the two larger world economies cannot afford the risk of such effects on the financial markets, the world trade and their own domestic economies. They already made clear their demand for a stable solution to keep Greece in the Euro zone and, if they refrained until now of direct involvements, that’s only due to a diplomatic respect for the European institutions.

It is unsustainable, furthermore, because the strategic balances and the world situation do not allow, for the US and the NATO to accept, that power games inside Eurogroup and the EU would push to the lap of Russia, because of no other choice, a key Mediterranean NATO member, situated close to meddle-east.

But the previous attitude of the Eurogroup is unsustainable mostly because (and excuse me for reminding such a traumatic event) the Greek government called and got a huge victory in a most significant referendum. After it, the Greek government’s democratic mandate was highly reinforced (much more than the mandate of any person sitting in the Eurogroup), in order to negotiate a solution which will include a sustainable restructuring of the foreign debt, which excludes more “austerity” over the weaker and which, after all, saves Europe.

You know that such victory was achieved under unprecedented pressures and threats from European institutions and partners. You know it well since, after all, side by side with the ECB action (which betrayed and jeopardized its mission of safeguarding the financial and bank stability in the Euro zone), you were the most notorious apostle of the Apocalypse, during last week. Both expressing several threats about inevitable Grexits and, mostly, with your irrevocable declaration that the victory of the “No” would mean the impossibility of any negotiations, from now on.

Well… the “No” was eloquently victorious. And it is clearly inevitable, now, to accelerate negotiations and to reach an agreement which respects the strong points arising from the Greek referendum – besides from the mere rationality and common sense.

Monday morning, the Greek government made a surprising demonstration of good will, political maturity and despoliation. In order to avoid that personal tensions and previous rhetorical wars would become artificial obstacles during the imminent negotiations, the Greek finances minister, Yanis Varoufakis, resign from his post.

What about you, mister Dijsselbloem?

You know that Ms. Merkel sheltered herself with silence, during the last week, and you know that her political political relevance and her responsibilities of de facto leadership will safeguard her, when she’ll have to change her position, to a open and constructive one.

You know that Mr. Shauble will be able to hide behind his modest position of finance minister, who follow his national leadership for the safeguard of German and European interests.

You know that, even if his verbal excesses during last week were similar to yours, Mr. Junker can protect himself behind his previous attempts of dialogue and under his ability to don’t be imputable.

But you, Mr. Dijsselbloem, you have burned the bridges behind you, when you’ve declared them burned, and you have no place to retreat. Today, it is unthinkable that the search and the build-up of an (inevitable) agreement might be done under your leadership, even just formal.

Independently of the way you might evaluate your action during the last months, it is today clear along Europe that you are not, and cannot be, part of the solution.You rather are a very relevant part of the problem.

That’s why I appeal to you (since there are no democratic mechanisms that allow me to demand it), in order that you will do the only honorable and rational thing to do:

Resign, mister Dijsselbloem!

Paulo Granjo
Portuguese ans European citizen
anthropologist

Demita-se senhor Dijsselbloem!

Sr. Dijsselbloem:

Escrevo-lhe na minha condição de cidadão europeu, ciente de que partilho com muitos outros milhões de concidadãos as preocupações e o apelo que lhe transmito.
O senhor sabe (melhor do que nós, simples cidadãos informados) que o primeiro resgate à Grécia foi fundamentalmente aplicado na salvaguarda da exposição dos bancos alemães e franceses à dívida pública do país, no resgate aos bancos gregos e na manutenção das encomendas de submarinos alemães e de caças franceses. E sabe que essa utilização dos fundos foi condição para que o empréstimo se realizasse.
O senhor sabe que, dos subsequentes resgates, quase nada foi gasto em despesas correntes e na economia grega, mas antes no pagamento dos elevados juros e do reembolso dos anteriores empréstimos a curto prazo.
O senhor sabe que, nesse processo, os “contribuintes do norte da Europa” não pagaram um cêntimo “para as pensões e boa vida dos gregos”. Porque não foi esse o uso do dinheiro e porque, pelo contrário, os seus governos e as instituições internacionais lucraram biliões de Euros em juros.
O senhor sabe que as condições políticas, económicas e sociais associadas a esses empréstimos (estranhamente consideradas legítimas e “normais”, no exclusivo caso em que o devedor não seja um indivíduo ou uma empresa, mas um país em situação vulnerável) destruíram a economia grega e mergulharam o país numa situação de calamidade social.
O senhor sabe (ou tem obrigação de saber, tendo em conta a responsabilidade do cargo que ocupa) que a espiral de endividamento e recessão criada pelas exigências das instituições europeias e do FMI tornou, para além desses custos,a dívida grega impossível de pagar, exigindo a sua restruturação, até para o interesse dos próprios credores.
O senhor sabe também (bem melhor que qualquer um de nós, cidadãos que pagamos o preço da sua atuação e decisões) que as tentativas de construir uma solução que quebrasse esse círculo vicioso e não passasse por “mais do mesmo” foram sistematicamente inviabilizadas, não por razões económicas ou financeiras, mas pelo afã de manter as relações de poder que conduziram à situação presente e de inviabilizar, num país membro da EU, um governo que não esteja disposto a aceitá-las.
Estou também certo de que o senhor sabe, independentemente do que diga, que a linha de atuação que o Eurogrupo manteve ao longo dos últimos meses é, hoje, insustentável.
É insustentável, porque a ausência de um diálogo sério e de uma restruturação adequada da dívida grega, que empurrasse a Grécia para fora do Euro, acarretaria a países como a Alemanha enormes prejuízos e, aos restantes países enfraquecidos por políticas de “austeridade”, ataques especulativos à sua dívida pública.
É insustentável, porque uma saída da Grécia da zona Euro (fosse ou não eventualmente benéfica para os próprios) induziria também, com enorme probabilidade, uma forte turbulência cambial e o reacender da recessão por toda a Europa.
É insustentável, porque as duas maiores economias mundiais não podem correr o risco que tais efeitos teriam sobre os mercados financeiros, o comércio mundial e as suas próprias economias domésticas – tendo já deixado clara a sua exigência de uma solução que mantenha a Grécia no Euro e tendo-se abstido de envolvimentos mais directos apenas por respeito para com as instituições europeias.
É insustentável porque, para além disso, os equilíbrios estratégicos e a situação mundial não permitem, aos Estados Unidos e à NATO, deixar que imposições de poder no Eurogrupo e da União Europeia empurrem um membro mediterrânico e à beira do médio-oriente para o colo da Rússia, por ausência de alternativas.
A anterior atuação do Eurogrupo é hoje insustentável porque, sobretudo (e peço desculpa por lhe lembrar um tão traumático acontecimento), o governo grego convocou e venceu de forma estrondosa, este domingo, um referendo infelizmente raro na construção europeia. Dele, saiu em muito reforçado o seu mandato democrático (infinitamente mais do que os dos seus parceiros no Eurogrupo) para negociar uma solução que inclua a restruturação sustentável da dívida, exclua mais “austeridade” sobre os mais fracos e, em grande medida, salve a Europa.
O senhor sabe que essa vitória foi obtida sob pressões e ameaças internacionais e das instituições europeias sem precedentes. Aliás, a par da ação do BCE (que,com ela, traiu e ameaçou a sua missão de salvaguardar a estabilidade financeira e bancária na zona Euro), o senhor foi, nestes dias, o mais notório apóstolo do Apocalipse. Não só nas várias ameaças que fez acerca da saída do Euro, mas sobretudo na sua irrevogável declaração de que uma vitória do “Não” significaria a impossibilidade de quaisquer negociações, a partir de agora.
Ora o “Não” ganhou de forma eloquente. E é evidente a inevitabilidade, agora, de acelerar negociações e de chegar a uma solução que acolha as questões fortes saídas do referendo grego – para além de da mera racionalidade e bom-senso.
Hoje de manhã, o governo grego deu um passo surpreendente de abertura ao diálogo, maturidade política e despojamento. Para que tensões pessoais e guerras retóricas passadas não se transformassem em escolhos artificiais, durante as negociações que necessariamente se avizinham, o ministro das finanças grego, Yanis Varoufakis, demitiu-se do seu cargo.
E você, senhor Dijsselbloem?
O senhor sabe que a senhora Merkel se resguardou no silêncio, durante a última semana, tal como sabe que o seu peso político e responsabilidades de liderança de facto a salvaguardam, no caso de um evidentemente necessário volte-face na sua posição.
O senhor sabe que o senhor Shauble se pode modestamente resguardar na sua mera posição de ministro das finanças, que segue a sua liderança em defesa dos interesses alemães e europeus.
O senhor sabe que, apesar de excessos verbais semelhantes ou piores que os seus, ao longo da última semana, o senhor Junker se pode resguardar nas tentativas de aproximação e diálogo que antes fez e na sua aparente inimputabilidade.
Mas você, senhor Dijsselbloem, queimou as pontes ao declará-las queimadas e não tem para onde recuar. E é, hoje, impensável que a busca e construção de um inevitável acordo sejam feitas sob a sua liderança, mesmo que apenas nominal.

Independentemente da forma como o senhor avalie a sua atuação ao longo dos últimos meses, hoje, está claro por toda a Europa que o senhor não é nem pode ser parte da solução. O senhor é, sim, uma parte muito significativa do problema.
Por isso apelo (já que não existem mecanismos democráticos que me permitam exigi-lo) a que faça a única coisa digna e racional.

Demita-se, senhor Dijsselbloem!

Paulo Granjo

cidadão português e europeu

antropólogo

PM Tsipras reveals govt. policy program

PM Tsipras reveals govt policy program

Live blog from Athens keeptalkinggreece

“… I want to assure MPs and citizens that we want to apply the whole of our pre-elections promises.

For me this commitment is a matter of honor and reliability. A matter of democratic duty.

Austerity policies lead the country to political and economic deadlock.

We have commitments only towards the Greek people.

Greece features on world stage, but for the first time in positive light, as country that does not accept orders like that does not accept “orders via e-mails” (reference to Troika sending austerity demands via emails)

The agenda is changing, the negotiations have started with SYRIZA presenting proposals.

In this negotiations there are not only the technocrats but also the people, the Greek people, the European people who will not allow such development.

The previous gov’t intentionally chose to impose very short time frame for negotiations by asking 2-month extension”

The previous gov’t accepted a mixture of policies destined to fail but also left next gov’t with hands tied.

We repeat in all tunes that Greece wants to serve its debt. We tell this to our partners.

If we accept that austerity is catastrophic, we will achieve technical solutions via negotiations …”

Uma “invasão a esquadra” inventada – Relatos da Cova da Moura e de Alfragide

Observatorio do Controlo e Repressão

Invadidos por notícias de “invasões”, deixamos aqui (embora com mais actualizações para breve) o relato dos acontecimentos vividos hoje no Bairro da Cova da Moura e na Esquadra da PSP de Alfragide:

a) No início da tarde uma patrulha da PSP da esquadra de Alfragide invadiu o Bairro da Cova da Moura, numa acção de rotina que concluiu na detenção de uma pessoa;

b) Durante a acção, o detido – apesar de não ter oferecido resistência – foi agredido violentamente, de pé e depois no chão, pelos diversos elementos da PSP presentes;

c) Perante o elevado número de testemunhas (algumas talvez armadas com telemóveis que filmam) , a PSP tratou de “limpar” as redondezas com recurso a violência física. A todos aqueles que: pela distância, por estarem à janela ou em propriedade privada e por isso distantes do cassetete , a polícia optou pelo disparo de balas de borracha;

d)…

View original post mais 307 palavras

E perguntam vocês, hilariante porquê?

Porque é que achei este vídeo hilariante?

Porque nunca tinha visto esta magnífica reportagem e fiquei com a perfeita noção da rebaldaria que foi essa manhã histórica . . . de tal maneira assustadora que as poucas pessoas que se abrigaram quando começaram os tiros, foram os jornalistas (assim parece). Um “Sai da frente que a gente quer ver”, provavelmente gritado aos soldados (assim parece) . . . a pose do recruta que escolta o Chaimite com o troféu lá dentro. Pérolas.

E porque é que nunca tinha visto?
Porque lá em casa nós não tínhamos televisão.
Só muitos anos mais tarde é que, eu e os meus irmãos, conseguimos convencer a nossa mãe de que era humilhante não ter televisão e, simultaneamente, andar na escola. Quando os nossos colegas falavam do programa, filme ou documentário muitaaa giro do dia anterior, todos tinham algo a dizer. ”Sim! Viste a jibóia a engolir o cabrito todo de uma vez só?!” e nós . . . calados?!!! . . . não era normal.
Lá vinha o “Não têm televisão?!”, “És pobre?” e “A tua mãe considera o quê?!!!” . . . interrogações de quem nos via como seres exóticos.
Em contrapartida fomos dos primeiros a ter um spectrum (falarei um dia sobre essa experiência e da aprendizagem do conceito de partilha).

Da adolescência, para além da memória daquela massa popular a circular na avenida em calções, a banhar-se nas fontes públicas, dos bilhetes de identidade nos pára brisas e cravos . . . muitos cravos, o mais que guardo são fotografias ou descrições desse dia.

A televisão se alguma vez a mostrou (a reportagem), dava sempre uma seca tão grande na introdução, um discurso (tipo cassete) tão comprido e já tão vazio de sentido, que a minha paciência (esgotada pelo Vasco Granja) já não me permitia esperar para ver.

A primeira vez que vi imagens (não fotográficas) do 25 de Abril e do PREC, foram as de Thomas Harlan. A polémica da enxada ser ou não ser da cooperativa, a reacção das mulheres às riquezas da casa dos senhores, todos esses pormenores etnográficos reportados aqui e aqui (atente-se ao minuto 2:40) . . . conquistaram a minha atenção.

Agora, para o bem e para o mal, há o you tube.